RNA - Transcrição e Tradução de proteínas

      RNA é um ácido nucléico cuja molécula é constituída por uma cadeia de mononucleotídeos unidos por ligações fosfodiéster.Sua pentose é a ribose.

 

Figura 01:Esses ribonucleotídeos são ligados entre si através de uma ligação fosfodiéster entre o carbono 3' do nucleotídeo de "cima" e o carbono 5' do nucleotídeo de "baixo" (Figura obtida na WWW através do sistema de busca de imagens do site www.altavista .com).

      Além das funções de mensageiro entre DNA e os ribossomos, formador dos ribossomos, e transportador de aminoácidos, os RNAs podem ainda desempenhar a função de catálise e de regulação gênica.

      Existem três tipos de RNA os quais participam da síntese de proteínas:

- RNAm (mensageiro) - Transcrição
- RNAr (ribossômico) - Tradução
- RNAt (transportador) - Tradução


Transcrição - mRNA

      A transcrição é o processo pelo qual uma região do DNA é copiada, resultando num RNA.

      O RNA mensageiro, ou mRNA, transporta informação genética do DNA ao citosol, onde é usado como molde para síntese de proteínas.

      De uma maneira bem simplificada, podemos dizer que, nos procariotos a transcrição é feita pela enzima RNApolimerase que separa os pares de base do DNA, desenrolando o DNA, dando início a síntese de RNA, formando uma bolha de transcrição no DNA.

      O RNA será então uma cadeia de nucleotídeos complementar ao molde do segmento do DNA de interesse, porém a base que complementa Adenina será a Uracila.


Figura 02: As etapas do processo de transcrição do mRNA em procariotos (Figura obtida na WWW através do sistema de busca de imagens do site www.altavista .com).

      Já nos eucariotos o processo é um pouco mais complexo. Existem 3 classes de RNAs polimerases nos seus núcleos: Polimerase I, que sintetiza o precursor de grandes RNAs ribossômicos; Polimerase II, que sintetiza precursores dos RNAs mensageiros que serão traduzidos para produzir proteínas; e a Polimerase III, que sintetiza os RNAs pequenos, incluindo os tRNAs, o RNA ribossômico pequenos e alguns snRNAs.

      Há, ainda áreas transcritas do DNA, em alguns genes, que não codificam para proteínas (íntrons) e que são clivados para que haja apenas seqüências codificantes na hora da tradução.

Figura 03: Etapas do processo de transcrição do mRNA em eucariotos (Figura obtida na WWW através do sistema de busca de imagens do site www.altavista .com).

      Cerca de 1 a 2% do mRNA codificado no núcleo será transportado ao citoplasma, quando este mRNA sai do núcleo ele é chamado de mRNA maturado, isto é, só possui sequencias codificantes.


Tradução - tRNA

O Código Genético

      Toda a actividade celular, a própria Vida, depende da presença de proteínas.

      A função das proteínas depende da sua conformação tridimensional que, por sua vez, é determinada por uma sequência de aminoácidos.

      Quem contém a informação para especificar a sequência de aminoácidos das diferentes proteínas é o DNA.

      Tem de haver um sistema de correspondência entre a linguagem do DNA e a linguagem das proteínas - um código genético.

      Cada aminoácido é codificado por um conjunto de três nucleótidos - um tripleto ou códon - originando 64 combinações possíveis.


Figura 04: As letras entre parênteses especificam a nomenclatura de 1 letra para cada um dos 20 aminoácidos. Verde: aminoácidos não polares; vermelho: aminoácidos polares não carregados; azul: aminoácidos polares com carga positiva (básicos); amarelo: aminoácidos polares com carga negativa (ácidos); verde claro: Metionina iniciadora e internas; rosa: códons de terminação (Figura obtida na WWW através do sistema de busca de imagens do site www.altavista .com).


Tradução - RNAt

      Para iniciar a tradução, uma subunidade de ribossomo pequena e uma grande , juntamente com o início do t-RNA, se junta ao início da fita do m-RNA recém criado.

Figura 05: No citoplasma, existe ainda um terceiro tipo de RNA, chamado RNA transportador ou t-RNA (Figura obtida na WWW através do sistema de busca de imagens do site www.altavista .com).

- O aminoácido no sítio P é transferido para o t-RNA no sítio A. O ribossomo move-se um códon depois ao longo do m-RNA, despachando o t-RNA vazio. O sítio A está agora livre para a próxima entrada t-RNA.

- O ciclo é repetido, a medida que o ribossomo “anda” através do m-RNA, resultando uma cadeia polipeptídica.

- O fim da tradução é identificada pelo Stop códon no m-RNA. Stop códons são reconhecidos por liberar fatores, os quais ajudam a liberação da cadeia polipeptídica totalmente sintetizada do ribossomo.

Figura 06: O aminoácido no sítio P é transferido para o tRNA no sítio A (Figura obtida na WWW através do sistema de busca de imagens do site www.altavista .com).

- Tradução termina com a dissociação das subunidades ribossomais