PROTOZOÁRIOS

 

O Reino Protista agrupa organismos eucariontes, unicelulares, autótrofos e heterótrofos. Neste reino se colocam as algas inferiores: euglenófitas, pirrófitas (dinoflagelados) e crisófitas (diatomáceas), que são Protistas autótrofos (fotossintetizantes). Os protozoários são Protistas heterótrofos (www.terravista.pt/bilene/5547/biologia/Celula/Protoz23.htm).

Eles habitam a água e o solo. Este reino é constituído por cerca de 65.000 espécies conhecidas, das quais 50% são fósseis e o restante ainda vive hoje; destes, aproximadamente 25.000 são de vida livre, 10.000 espécies são parasitos dos mais variados animais e apenas cerca de 30 espécies atingem o homem (TORTORA, 2000).

Figura 01: Ilustração de protozoários e euglena.

 

É uma única célula que, para sobreviver, realiza todas as funções mantenedoras da vida: alimentação, respiração, reprodução, excreção e locomoção. Para cada função existe uma organda própria, como, por exemplo:

-cinetoplasto: provavelmente é uma mitocôndria especializada, sendo muito rico em DNA;

-corpúsculo basal: base de inserção de cilios e flagelos;

-reservatório: supõe-se que seja um local de secreção, excreção e ingestão de macromoléculas, por pinocitose;

-lisossoma: permite a digestão intracelular de partículas;

-aparelho de Golgi: síntese de carboidratos e condensação da secreção proteica;

-reticulo endoplasmático: a) live—síntese de esteroides; b) granuloso—síntese de proteínas;

-mitocôndria: produção de energia;

-microtúbulos: movimentos celulares (contração e distensão);

-flagelos, cílios, membrane ondulante e pseudopodos: locomoção;

-axonema: eixo do flagelo;

-citóstoma: permite ingestão de partículas(www.terravista.pt/bilene/5547/biologia/Celula/Protoz23.htm).

Cada organela é mais ou menos semelhante nas varias espécies, entretanto, ocorrem pequenas diferenças que podem ser observadas ao microscópio óptico ou unicamente ao microscópio eletrônico. Aliás, hoje, a protozoologia só pode ser bem estudada à luz do microscópio eletrônico e da bioquímica e fisiologia celular (www.terravista.pt/bilene/5547/biologia/Celula/Protoz23.htm).

Quanto a sua morfologia, os protozoários apresentam grandes variações, conforme sue fase evolutiva e meio a que estejam adaptados. Podem ser esféricos, ovais ou mesmo alongados. Alguns são revestidos de cílios, outros possuem flagelos, e existem ainda os que não possuem nenhuma organela locomotora especializada (www.terravista.pt/bilene/5547/biologia/Celula/Protoz23.htm).

Dependendo da sua atividade fisiológica, algumas espécies possuem fases bem definidas. Assim, temos:

Trofozoíto: É a forma ativa do protozoário, na qual ele se alimenta e se reproduz, por diferentes processos.

Cisto: É a forma de resistência ou inativa. O protozoário secreta uma parede resistente (parede cística) que o protegerá quando estiver em meio impróprio ou em fase de latência. Freqüentemente há divisão nuclear interna durante a formação do cisto.

Gameta: É a forma sexuada, que aparece em algumas espécies. O gameta masculino é o microgameta, e o feminino é o macrogameta.

Figura 02: Ilustração de um protozoário ciliado e suas organelas.

 

Reprodução

Encontramos os seguintes tipos de reprodução:

Assexuada

Sexuada

Existem dois tipos de reprodução sexuada:

Nutrição

Quanto ao tipo de alimentação, os protozoários podem ser:

Figura 03: Desenho de um protozoário heterotrófico se alimentando por fagocitose.

 

Digestão

Nas espécies de vida livre há formação de vacúolos digestivos. As partículas alimentares são englobadas por pseudópodos ou penetram por uma abertura pré-existente na membrana, o citóstoma. Já no interior da célula ocorre digestão, e os resíduos sólidos não digeridos são expelidos em qualquer ponto da periferia, por extrusão do vacúolo, ou num ponto determinado da membrana, o citopígio ou citoprocto (www.biomania.com.br/protista).

Respiração

Podemos encontrar dois tipos fundamentais:

 

Locomoção

A movimentação dos protozoários é feita com auxílio de uma ou associação de duas ou mais das organelas abaixo:

Figura 04: Desenho esquemático de uma Amoeba se movendo por extensão de seu citoplasma, denominado de pseudópodes.

 

Como os protozoários são um grupo grande e diverso, esquemas atuais de classificação das espécies de protozoários em filos e subfilos são baseados na motilidade, superfície celular, estruturas para alimentação, estrutura nuclear, e até a presença de bactérias simbióticas (TORTORA, 2000).

Seu filos são: Mastigosphora (flagelados), como Trypanossoma, Giardia, Leishmania; Sarcodina, como as amebas; Ciliophora (ciliados), como o Paramecium; Sporozoa, como o Plasmodium, Toxoplasma; Euglenoides, como as euglenas.

Doenças causadas por protozoários

Muitos protozoários causam doenças nos seres humanos. Entre elas, estão a amebíase ou disenteria amebiana, a doença de Chagas, a úlcera de Bauru, a giardíase e a malária.

Figura 05: Tripanossoma cruzy no sangue de um paciente infectado.

 

Figura 06: Trichomonas vaginalis vista em mocroscópio eletrônico.

 

Os protozoários na biotecnologia

Depois das bactérias, os protozoários são os organismos mais numerosos no lodo ativado, quando se tem boas condições de operação do processo. O principal grupo de protozoários encontrados nos lodos ativados são ciliados. Eles normalmente representam aproximadamente 5% do peso seco dos sólidos em suspensão presentes no tanque de aeração. Em ordem decrescente, segundo o Water Pollution Research Laboratory (W.P.R.L.), as espécies encontradas no processo de lodos ativados são: Aspidisca costata; Vorticella alba; Opercularia coarctata; Trachelophyllum pusillum, Vorticella striata; Vorticella microstoma; Chilodonelha uncinata; Vorticella convallaria; Uronema nigricans; Epistylis plicatilis; Hemiophrys plenrosigma; Aspidisca lynceus e Colpoda (www.saaeg.com.br/celulose.htm).

Experiências desenvolvidas no W.P.R.L. (Inglaterra) permitiram concluir que os protozoários tem uma bem definida e útil participação no processo de lodos ativados. Na ausência de protozoários, um grande número de bactérias que não floculam e conseqüentemente não sedimentam, seguem com o efluente final do processo, porém decresce grandemente quando uma população de protozoários ciliados está presente nos lodos. Pesquisas efetuadas pelo W.P.R.L. também sugerem que a ação predatória por parte dos protozoários é o principal mecanismo pelo qual as bactérias livres são removidas do efluente, enquanto que a indução da floculação pelos protozoários é de importância secundária. Portanto, os protozoários teriam una função importante na clarificação do efluente do processo. Em relação à qualidade do efluente final a identificação de certos tipos de protozoários pode fornecer informações de interesse. Em geral, a presença de protozoários flagelados e de rizópodes indicam que o efluente final não é de boa qualidade. Existem, porém, exceções como por exemplo a Arcella, que é um rizópode indicativo de efluentes que sofreram nitrificação e, pois, de boa qualidade. Outro gênero de rizópode, Amoeba, também é muito comum em lodos de sistemas com efluentes de boa qualidade (www.saaeg.com.br/celulose.htm).

Muitas espécies de Vorticella, um ciliado pedunculado, ocorrem em lodos de sistemas eficientes, juntamente com Opercularia. Aspidisca e Lionotus, porém, a presença de Vorticella microstoma no lodo é comumente associada a sistema de baixa eficiência. Aspidisca costata, presente no lodo, indica boa nitrificação do processo, uma vez que se alimenta de bactérias nitrificadoras. Paramecium caudatum, um ciliado característico de lodos de sistemas não muito eficiente, às vezes aparece em lodos de sistemas de alta eficiência, porém, sua concentração oscila intensamente (www.saaeg.com.br/celulose.htm).

 

Referências Bibliográficas

 

<http//www.biomaia.com.br/protista> , acesso em 30 de junho de 2004.

<http//www.terravista.pt/bilene/5547/biologia/Celula/Protoz23.htm>, acesso em 30 de junho de 2004.

<http//www.portalbrasil.net/educacao_seresvivos_protistas.htm>, acesso em 30 de junho de 2004.

<http//www.saaeg.com.br/celulose.htm>, acesso em 30 de junho de 2004.

TORTORA, G. J., et al. Microbiologia. 6ª ed. Porto Alegre: Artemed, 2000.